Buscar

FERRAMENTAS DE SUSTENTABILIDADE PARA CONTAINERS E SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS

#casacontainer #sustentabilidade #arquiteturasustentavel


ENERGIA SOLAR: Esse sistema de gerar energia limpa e renovável vai lhe possibilitar valorizar a propriedade além de gerar a sua própria energia elétrica e praticamente acabar com a sua conta de luz. O Painel Solar reage com a luz do sol e produz energia elétrica (energia fotovoltaica). Os painéis solares, são conectados uns aos outros e então conectados no seu Inversor Solar. Este converte a energia solar dos seus painéis fotovoltaicos (Corrente Continua - CC) em energia elétrica que pode ser usada em qualquer equipamento eletrônico tais como computador, televisores, geradores e qualquer outro equipamento elétrico (Corrente Alternada - AC).

A energia que sai do inversor solar vai para o "quadro de luz" e é distribuída para a edificação e assim reduz a quantidade de energia que é comprada da distribuidora. O excesso de eletricidade volta para a rede elétrica através do relógio de luz (relógio de luz bi-direcional). Esse relógio de luz mede a energia da rua que é consumida quando não tem sol e, a energia solar gerada em excesso quando tem muito sol e é injetada na rede da distribuidora.

O relógio bidirecional (mede a entrada e a saída de energia). Desta forma ele será capaz de medir a energia que você consome da rede elétrica e medir também a energia gerada em excesso pelo seu sistema fotovoltaico que é injetada na rede assim gerando "créditos de energia".

A energia solar que vai para a rede vira "créditos de energias", para serem utilizado de noite ou nos próximos meses. A produção de energia limpa com a luz do sol e reduz a conta de luz. Os "Créditos de Energia" são medidos em kWh. Para cada kWh gerado em excesso pelo seu sistema solar fotovoltaico recebe 1 crédito de kWh para ser consumido de noite ou em meses subsequentes. Esse crédito é contabilizado pelo novo relógio de luz bidirecional e é medido pela distribuidora de energia. Desta forma, pode se ver quanto de energia consumiu da rede e quanta energia foi injetada na rede. Se injetar mais na rede do que consumiu, a conta terá créditos de energia para serem usados nos meses seguintes. Os créditos de energia são regulamentados pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) possuindo regras específicas que variam de acordo com a sua localização e sua classe de consumo (residência, comercial ou industrial).

A parte mais importante de um painel solar fotovoltaico (placa fotovoltaica) são as células fotovoltaicas de silício (Si). O silício é composto de átomos minúsculos que são carregadas com elétrons. A concepção mais comum de painéis fotovoltaicos (placas fotovoltaicas) utiliza dois tipos diferentes de silício. Isto é para criar cargas negativas e positivas. Para criar uma carga negativa, o silício é combinado com boro, e para criar uma carga positiva, o silício é combinado com o fósforo.

Esta combinação cria mais elétrons no silício carregado positivamente e menos elétrons no silício carregado negativamente. O silício carregado positivamente é “sanduichado” com o silício carregado negativamente, isso permite a célula de silício reagir com o sol produzindo energia elétrica. Cada célula fotovoltaica é cuidadosamente colocada, plana, em série, uma após a outra.

As células fotovoltaicas individuais são conectadas usando uma faixa condutora extremamente fina. Esta tira é tecida de cima para baixo de cada célula, de modo que todas as células fotovoltaicas do painel solar fotovoltaico estejam ligadas, assim criando um circuito. Essa série de células fotovoltaicas é então coberta com uma lamina de vidro temperado, tratado com uma substancia antiaderente e antirreflexo, emoldurado usando um quadro de alumínio.

Na parte de trás do painel fotovoltaico solar, há dois condutores provenientes de uma pequena caixa preta (caixa de junção). Esses cabos são usados para ligar os painéis solares fotovoltaicos (placas fotovoltaicas) em conjunto, formando uma série (s) de painéis fotovoltaicos. Esse conjunto de painéis fotovoltaicos é então conectado através de cabos de corrente contínua ao inversor solar.



TELHADO VERDE: Este micro sistema nas casa container tende a diminuir a poluição e melhora a qualidade do ar. A vegetação absorve as substâncias tóxicas e a libera oxigênio na atmosfera, além de ajudar a combater o efeito de ilhas de calor se a casa estiver instalada em conturbações urbanas. Este princípio também melhora o isolamento térmico da edificação, protegendo contra as altas temperatura no verão e ajuda a manter a temperatura interna estável no inverno.

O telhado verde melhora o isolamento acústico da edificação. A vegetação absorve e isola ruídos, havendo maior retenção da água das chuvas. Ela também auxilia na drenagem da água da chuva, reduzindo assim a necessidade de escoamento de água e de sistemas de esgoto e ainda filtra a poluição dessas águas. ibilidade de enchentes. Como retem melhor a água da chuva, o excesso não vai para as ruas.

O fato de haver este tipo de complemento na cobertura, ajuda na diminuição da temperatura do micro e macro ambientes externo, reduzindo o consumo de energia, e melhora a eficiência energética devido à redução da temperatura no ambiente interno, diminuindo a necessidade de refrigeração.

Algumas desvantagens de um telhado verde:

– Necessita uma certa manutenção para manter sua estrutura saudável e com boa aparência.

– O Investimento financeiro inicial pode ser alto.

– Restrições quanto à estrutura podem inviabilizar o sistema.

– Necessita de mão de obra especializada para instalação para evitar problemas de vazamento e infiltrações

Mesmo com pequenas desvantagens, a relação custo e benefício compensa muito. Vale a pena investir no sistema!



REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA: O tanque coletor de água de chuva com capacidade de 1000 litros pode ficar aparente e possui acesso à água pela torneira. Este equipamento tem que possuir paredes espessas para evitar deformações e boa opacidade para evitar a proliferação de algas. O aparelho pode ser instalado de forma a não agredir a estética do conjunto, contando com alta tecnologia em polietileno reforçado, pode ser enterrada diretamente ao solo sem nenhum tipo de contenção ou pode ser usado como tanque e ser instalada sobre o piso.



ÁGUA POTÁVEL ATRAVES DO AR: A escassez de água é um problema ambiental cujos impactos tendem a ser cada vez mais graves no mundo. Uma solução prática promete extrair da umidade do ar a geração de água potável. A Ecomart apresenta o Aozow, uma máquina que produz água a partir da atmosfera, através do processo de condensação (transforma partículas de água em estado gasoso para o líquido).

Na prática, a Aozow precisa apenas de eletricidade para gerar água potável, fria ou quente (até 80ºC), para consumo imediato. A água é produzida, armazenada e purificada por filtros, que esterilizam e eliminam impurezas nocivas à saúde. O sistema de produção é realizado de forma automático: através de um microcomputador interno, a Aozow calcula a umidade do ar e a temperatura, então produz a água pura.

Por exemplo, com umidade relativa de 40%, a máquina consegue produzir 12 litros em 24 horas. Com 90% de umidade, o índice chega a 34 litros.

Pode ser de utilidade na saúde pública, em lugares onde há problemas de fornecimento de água potável, em centros de saúde, escolas e hospitais. Em centros urbanos, pode ser usada em empresas ou em casas de quem privilegia o meio ambiente. Este equipamento é muito útil na complementação do maquinário que uma casa container pode receber.



SISTEMA INTEGRADO DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO: Ecofossa, um sistema ecológico de tratamento de esgoto, sendo um reator anaeróbico tipo UASB, que maximiza ações de bactérias e não utiliza energia elétrica ou quaisquer produtos químicos. O sistema possui também o Ecofiltro, um pós-tratamento em reator anaeróbico de fluxo ascendente em leito fixo, que juntamente com a Ecofossa devolvem para o meio ambiente uma água inócua. Esta água, rica em nutrientes, pode ter sua infiltração diretamente no solo ou ser reutilizada até na irrigação de plantações, complementando a adubação do terreno, tudo isto sem poluir os lençóis freáticos, perfazendo o ciclo natural.

Outras vantagens do sistema estão na facilidade de instalação e a não necessidade de limpeza, o que reduz os gastos com os famosos caminhões sugadores de fossas negras, sendo, portanto, uma solução definitiva e ecológica no tratamento de esgoto.

A ECOFOSSA é uma empresa brasileira, que surgiu por meio de um projeto na incubadora de empresas do CDT (Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico) da Universidade de Brasília. Os produtos são desenvolvidos atendendo aos padrões de qualidade e normas técnicas da ABNT, as diretrizes do PROSAB – Programa de Pesquisa em Saneamento Básico, a FUNASA – Fundação Nacional de Saúde, exigidas pelos órgãos competentes.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: A Eficiência energética é uma atividade que procura melhorar o uso das fontes de energia. A utilização racional de energia, às vezes chamada simplesmente de eficiência energética, consiste em usar de modo eficiente a energia para se obter um determinado resultado. Por definição, a eficiência energética consiste da relação entre a quantidade de energia empregada em uma atividade e aquela disponibilizada para sua realização.

A utilização das energias renováveis como fonte de energia para consumo das necessidades energéticas, quer de climatização como de aquecimento de águas quentes sanitárias e de piscinas é uma das formas mais eficientes de reduzir o consumo de energias de combustíveis fósseis. A instalação de painéis solares térmicos na cobertura dos edifícios pode representar uma redução de 60% no consumo de energia para aquecimento de águas sanitárias. Entretanto deve-se considerar que mesmo em fontes limpas, sua eficiência está atrelada a sua taxa de consumo e não à fonte geradora.

A eficiência energética e as energias renováveis são os "dois pilares" da política energética sustentável. Edifícios energeticamente eficientes, processos industriais e de transporte poderiam reduzir as necessidades energéticas projetadas para o mundo em 2050 por um terço, também é essencial o controle das emissões globais de gases que causam o efeito estufa, de acordo com a Agência Internacional de Energia.

A adoção de soluções ou medidas eficientemente energéticas são necessárias, por exemplo, em edifícios colocar isolamento térmico de modo a se consumir menos energia para aquecimento e arrefecimento mantendo a temperatura confortável, substituir por lâmpadas econômicas as antigas lâmpadas incandescentes, utilizar aparelhos desenvolvidos com referência a melhor eficiência, ex: refrigeradores com inverter, economizadores de energia. Redes de sensores sem fio são muitas vezes utilizados para visualizar o uso de energia em cada ponto para melhorar a eficiência.

Como exemplos de medidas de poupança de energia que contribuem para uma maior eficiência energética temos:

· Afinação dos parâmetros de queima dos geradores de calor

· Isolamento térmico de superfícies quentes

· Otimização das condições de funcionamento de equipamentos

· Eliminação das fugas de fluidos quentes

· Aproveitamento de combustíveis ou fontes de calor residuais

· Dimensionamento correto das instalações energéticas

· Eliminação das fugas de ar comprimido

· Recuperação da energia térmica em compressores de ar

· Substituição de motores convencionais por motores de alto rendimento

· Instalação VEVs (Variadores Eletrônicos de Velocidade)

· Alteração da opção tarifária

· Deslastre de cargas

· Compensação do fator de potência

· Otimização e controlo da iluminação

· Melhor aproveitamento das condições de iluminação natural

· Implementação de sistemas de gestão de energia

· Instalação de sistemas de cogeração

Como todo país em desenvolvimento, o Brasil tem uma grande demanda reprimida de energia - mas os índices nacionais de perda e desperdício de eletricidade também são altos. O total desperdiçado, segundo o Procel, chega a 40 milhões de kW, ou a US$ 2,8 bilhões, por ano. Os consumidores - indústrias, residências e comércio - desperdiçam 22 milhões de kW; as concessionárias de energia, por sua vez, com perdas técnicas e problemas na distribuição, são responsáveis pelos 18 milhões de kW restantes.

Portanto qualquer política energética deve estimular a eficiência e o combate ao desperdício por meio de instrumentos de regulação - como a especificação de códigos com consumo máximo de energia em construções ou padrão de desempenho e melhorias em equipamentos para garantir a incorporação de novas tecnologias, mais eficientes, pelos fabricantes.



17 visualizações
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

©Gazzalle Arquitetura. Por Booom Criative

CAU-PR A74350-0